Sistema de Avaliação do Risco de Extinção da Biodiversidade - SALVE - Consulta/Revisão v.2.39

Para enviar suas informações, é necessário registrar-se e efetuar o login.

  • O que é o SALVE

    O Sistema de Avaliação do Risco de Extinção da Biodiversidade – SALVE foi elaborado para facilitar o processo de avaliação da fauna brasileira, funcionando como uma base de dados das espécies avaliadas e como uma ferramenta para o controle e o acompanhamento das diferentes etapas do processo. O módulo de consultas do Sistema permite que qualquer pessoa envie informações sobre as espécies que estão em processo de avaliação. As contribuições serão armazenadas e posteriormente analisadas pela equipe do ICMBio em conjunto com o Coordenador de Táxon do grupo e demais especialistas da comunidade científica.

  • O Processo de Avaliação da Fauna Brasileira

    A Portaria MMA n° 43/2014, que institui o Programa Nacional de Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção – Pró-Espécies, estabelece que o Instituto Chico Mendes é responsável pelo processo de Avaliação do Estado de Conservação da Fauna Brasileira, cujos resultados subsidiam o Ministério do Meio Ambiente na publicação das Listas Nacionais Oficiais de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção. O Instituto Chico Mendes conduz o processo desde 2009, quando foi iniciado o primeiro ciclo de avaliação, tendo avaliado 12.254 táxons da fauna brasileira, incluindo todos os vertebrados conhecidos até 2014. O processo é normatizado pela Instrução Normativa n° 34/2013 do Instituto, que define as suas diretrizes gerais, a metodologia utilizada, os atores envolvidos e suas funções, as etapas e os prazos. O Sistema SALVE foi elaborado observando-se essas diretrizes.

    Basicamente, o processo inicia-se com a compilação de informações relevantes para a avaliação e elaboração de um mapa de distribuição, incluindo uma etapa de consulta aos especialistas e à sociedade como um todo. Em seguida, as espécies são classificadas em alguma categoria de risco, de acordo com a metodologia de categorias e critérios da IUCN, por especialistas em uma oficina de trabalho. Por fim, os resultados ainda passam por uma validação, na qual é verificada a consistência da aplicação do método. Mais informações sobre o processo podem ser obtidas no “Roteiro Metodológico para avaliação do Estado de Conservação das Espécies da Fauna Brasileira”.

    Imagem Etapas
  • O Método de Avaliação

    Para avaliar o risco de extinção das espécies é utilizado o método desenvolvido pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), amplamente utilizado em avaliações do estado de conservação de espécies em nível global e já adotada por diversos países. O método classifica as espécies em categorias, utilizando critérios objetivos e quantitativos, que consideram informações sobre a distribuição da espécie, tamanho e tendência populacionais, ecologia, como uso do habitat, ameaças que incidem sobre a espécie e medidas de conservação já existentes. O método foi inicialmente desenvolvido para ser aplicado em nível global, mas, para espécies não endêmicas do país, pode ser utilizado em nível nacional observando-se certos ajustes. Maiores informações e detalhes sobre o método podem ser obtidos nos materiais originais da IUCN:

    Categorias IUCN

  • Listas Nacionais de Espécies Ameaçadas de Extinção

    As listas nacionais de espécies ameaçadas são um dos principais instrumentos para a conservação de espécies, com efeitos de restrição de uso e priorização de ações de conservação e recuperação das populações.

    Em 2014 o Ministério do Meio Ambiente publicou as atuais Listas Nacionais Oficiais de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção. A Portaria MMA n°444 lista as espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios e invertebrados terrestres, e a Portaria MMA n°445, os peixes e invertebrados aquáticos. As listas foram elaboradas a partir do processo de avaliação conduzido pelo ICMBio entre 2009 e 2014, no qual foram avaliados todos os vertebrados que ocorrem em território nacional e um significativo número de invertebrados, totalizando 12.254 táxons, no maior esforço global para avaliar o risco de extinção de espécies em nível nacional. Com essas listas, o Brasil passou a ter um diagnóstico fidedigno da situação de conservação de nossas espécies. A lista das espécies ameaçadas, com algumas informações adicionais, também pode ser vista no Sumário Executivo do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, publicado em 2016.

Consultas / Revisões abertas
Busca avançada 
 
Minhas fichas 
Em revisão 
Nome Científico Nome Comum Prazo
Em consulta direta 
Nome Científico Nome Comum Prazo
{{item.dtFim}}
Espécie(s) em consulta ampla 
Nome Científico Nome Comum Prazo
{{item.dtFim}}

Carregando fichas...